Sofrimento como caminho

Sofrimento como caminho

Sofrimento e salvação

O sofrimento é o caminho da salvação? Sim. Jesus mostrou. E quem não sofre, não se salva? Em termos.

     Caminho – Com o ingresso do pecado no mundo, o sofrimento passou a via de retorno à  felicidade. “Foi Jesus quem disse e escandalizou os discípulos quando  começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do homem padecesse muito, fosse rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas, e fosse morto, mas ressuscitasse depois de três dias” (Mc 8,31). Viu qual é o itinerário da ressurreição? Sofrer, ser morto e ressuscitar.  Você gostaria que fosse outro mais fácil, imagino? Eu também. Mas, não. O caminho é a cruz. Como nos posicionamos de nossos sofrimentos?

A gente, por vezes, se sente humilhado por Deus diante dos outros. Fica indignado quando procura ser fiel a ele e as coisas parecem que não dão certo, não é mesmo?  Sem dúvida. Jesus também teve que se posicionar de modo firme diante deste sentimento.  “Mas o Senhor Deus vem em meu auxílio: eis por que não me senti desonrado; enrijeci meu rosto como uma pedra, convicto de não ser desapontado” (Is 50,7). Que confiança! Como a nossa? A se pensar!

     Caridade – O caminho estava à frente dele e não podia ser outro. Nós, frequentemente, gostaríamos que nosso caminho para a salvação fosse um pouco menos pedregoso. De fato,assusta pensar em tudo aquilo que Cristo passou e que, seus discípulos também poderão passar.  Contudo, os atalhos estão fora do mapa deixado pelo Senhor.  Nosso caminho terá que ser o da doação, da caridade, como foi o de Cristo. A caridade foi levada ao extremo.

“Como assim?” intercepta você assustado com o “extremo”. Calma! O nosso dia a dia nem exige o extremo, a morte de cruz. Exige o que é possível a todos nós: a prática da caridade com o próximo. “Ah, bom!” suspira você aliviado.  Mas, não se alivie tanto não, porque não é tão simples assim. Quer ver?  “Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano,  e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará?” (Tg 2,15-17)Bah! Quantas vezes fazemos isto, não? E o pior:  “Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma” (Tg 2,17). Que desilusão! Agora, aqui entre nós: Nossa fé é viva ou morta? Fale baixinho pra si mesmo, fale.

     Cruz – Não tem jeito: “Se alguém me quer seguir, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8,34).  E nem adianta querer encontrar um jeitinho para se poupar:  “Porque o que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas o que perder a sua vida por amor de mim e do Evangelho, salvá-la-á” (Mc 8,35). É. A cruz está na nossa frente.  Podemos dar umas voltinhas em torno dela, mas, só a tomando mesmo. Colocando-a nos ombros, resta-nos  seguir o caminho da caridade, da doação, do amor ao próximo, como fez o Mestre. Tenho tomado minha cruz e seguido como Jesus? Ou passo grande parte do tempo lamentando o peso dela?

O que importa é tomar a própria cruz. Se esta é carregada em meio a grande sofrimento físico ou espiritual, não importa.   Importa que o sofrimento seja por não amar o quanto devíamos. Este sofrimento é redentor e nos impele ainda mais ao amor. Jesus não ensinou o masoquismo. Lembra da pergunta inicial?  “E quem não sofre não se salva?” Foi respondido: “em termos”. Claro, sofrer por sofrer e sentir prazer em sofrer é masoquismo. O sofrimento por  caridade é o que salva.

     Masoquismo – Masoquismo é doença espiritual, psíquica. A dor por não praticar mais intensamente a caridade, esta sim, é salutar. Mas, essa dor não pode ser tanta que vire doença.  Ela tem um nível que é saudável e um nível que é doentio. Deve existir até o ponto necessário para a pessoa não se acomodar  em relação à prática do bem;  mas não deve, em contrapartida,  ultrapassar o limite e cair no masoquismo estéril. Neste último caso, a pessoa, ao invés de ajudar os outros, terá que ser ajudada.

Inquestionável, portanto: o amor, ainda que amalgamado pelo sofrimento, é o caminho da salvação. A aceitação da minha vida  e a prática da caridade, são, ao mesmo tempo, a cruz que preciso carregar e a cruz sobre a qual preciso me estender no dia a dia para contribuir com a salvação do mundo. Não adianta brigar contra a verdade: Este foi o caminho do Mestre e este será o caminho de quem deseja ser seu discípulo.

Eu diante da Palavra

Jesus não se sentiu desonrado perante os outros, sentir-se humilhado
Mas o Senhor Deus vem em meu auxílio: eis por que não me senti desonrado; enrijeci meu rosto como uma pedra, convicto de não ser desapontado (Is 50,7).

Nas adversidades conto com Deus que vem em meu auxílio inspirando-me como agir?

Nós nos esquivamos de sofrimentos, de ajudas ao próximo. E se ele tivesse se esquivado?
O Senhor Deus abriu-me o ouvido e eu não relutei, não me esquivei (Is 50,5).

Esquivo-me de ajudar os outros?    

Dizer que tem fé nada significam, importam os fatos.
14 De que aproveitará, irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Acaso esta fé poderá salvá-lo? Tg 2,14)

Que obras realizo que garantem minha salvação?

Fé sem obras não salva
15 Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano,
16 e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará?
17 Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma
   (Tg 2,15-17)

Minha fé é viva ou morta?

Só tomando a cruz e perdendo a vida aos olhos deste mundo.
34 Em seguida, convocando a multidão juntamente com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém me quer seguir, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.
35 Porque o que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas o que perder a sua vida por amor de mim e do Evangelho, salvá-la-á.
   (Mc 8,34-35)

Tenho tomado minha cruz e seguido Jesus?

          Minha prece (do Sl  114)

Senhor, ouves  o grito da minha oração.
Inclinaste para mim teu ouvido
no dia em que eu te invoquei.
Atendeste-me quando me prendiam as cordas da morte,
e apertavam-me os laços do abismo.
Muitas vezes me amparaste
quando me invadiam a angústias e a tristeza.
Eu te invoquei
E Tu salvaste minha vida.
Bendito és tu.