Acumular inutilidades?

Acumular inutilidades?

Acumular inutilidades?

Como gostamos de acumular bens! Trabalhamos para ter mais.  Vale a pena? Talvez. Certamente até o limite de se poder viver dignamente, se também nos colocamos a serviço dos outros.  Se não, querer mais vira egoísmo puro. É diferente correr atrás de bens  desenfreadamente em busca do prazer de se ter e, por outro lado,  lutar para se alcançar uma vida digna.

Abundância. Enquanto Jesus pregava à multidão, alguém lhe disse: “Mestre, diz a meu irmão que reparta comigo a herança” (Lc 12,13). Por que este apelo inesperado do ouvinte anônimo?  Porque era costume, em casos de disputa de herança, recorrer aos rabinos.  Jesus aproveita a oportunidade da pergunta e exorta sobre o desapego dos bens terrenos.[1] Cuidai e guardai-vos de toda cobiça, porque a vida de alguém não está na abundância dos seus haveres” (Lc 12,15).  Não está? Mas gostamos de abundância, não!

Menos apego.  Jesus alerta, todavia, a entesourar, não tanto para a vida presente, mas para a futura,  pois os bens temporais são efêmeros. Não passam daqui para o reino dos céus.  21Que um homem trabalhe com sabedoria, ciência e bom êxito para deixar o fruto de seu labor a outro que em nada colaborou, note-se bem, é uma vaidade e uma grande desgraça (Ecl 2,21). Pode-se deixá-lo mas também investir em bens duradouros, os bens espirituais.  Por outro lado, você pode estar se perguntando:  “A vida aqui na terra não nos foi dada para ser gozada?” Sim, mas não só.  Foi-nos dada também para fazermos boas obras e exercermos a benevolência. “Doar bens?” indaga você. Doar.  Quem distribui do que é seu, por amor de Deus, torna-se rico  diante dele. É uma doação que volta. Fora dos bens espirituais, nada  permanece. Por isso o apego é inútil.

Tudo é vaidade.  Como tal, qual o benefício de acumular esses bens, se a pessoa vai deixá-los? Será que é uma generosidade para com os outros ou uma vaidade própria? É apenas uma vaidade, segundo a Escritura Sagrada. É vaidade e um grande mal (Ecl 2,21). Quanto mais se adquire, mais se coloca adiante o limite de possuir. Busca-se sempre mais. Insensatez, pois as coisas que ajuntamos de quem serão? Simplesmente de outrem. “Mas Deus lhe diz:Tolo! Ainda nesta noite, tua vida te será tirada. E para quem ficará o que acumulaste?”  (Lc 12,20). Paradoxal.

Como as coisas seduzem!  Nossa afeição se derrama sobre elas. Queremos as coisas do alto, mas também queremos as coisas da terra. Como resolver o dilema?  São Paulo resolve da seguinte forma:  “1 Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. 2 Afeiçoai-vos às coisas de cima, e não às da terra! (Cl 3,1-2). Ensinamento que contraste em nossos dias, onde as coisas materiais seduzem demais!

Há  que se trabalhar a atitude interior. De que forma? Usando as coisas da terra para se ter uma vida digna, mas valorizar mais a conquista do amor, da compreensão, da paz interior. Não esquecer a caridade. isso significa trabalhar para praticar a caridade, para compartilhar. Neste caso, quanto mais se compartilha, mais se acumula…  para levar ao reino.

É assim, acumulando estes bens, que abdicamos de acumular inutilidades.  Passamos a compor uma boa herança: a herança eterna.

 Eu diante da Palavra

Tudo é vaidade
2 Vaidade das vaidades, diz o Eclesiastes, vaidade das vaidades! Tudo é vaidade.
 21 Que um homem trabalhe com sabedoria, ciência e bom êxito para deixar o fruto de seu labor a outro que em nada colaborou, note-se bem, é uma vaidade e uma grande desgraça  (Ecl 1,2)

Caminho para esta desgraça?

Juntar bens
20 Deus, porém, lhe disse: Insensato! Nesta noite ainda exigirão de ti a tua alma. E as coisas, que ajuntaste, de quem serão?   (Lc 12,20).

Trabalho mais para ajuntar bens que perecem ou que não  perecem?

Buscar coisas do alto
1 Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus.
2 Afeiçoai-vos às coisas de cima, e não às da terra  (Cl 3,1-2).

Qual o tamanho de minha afeição  às coisas divinas?

  Minha prece

Vós fazeis voltar ao pó todo mortal
quando dizeis: “Voltai ao pó, filhos de Adão!”
Ensinai-nos a contar os nossos dias
e dai ao nosso coração sabedoria!
Saciai-nos de manhã com vosso amor,
e exaltaremos de alegria todo o dia!
Que vossa bondade repouse sobre nós e nos conduza!
Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho.

 

 


[1]
         [1] Paulinas, nota em Lc 12,13.