Dinheiro como meio

Dinheiro como meio

Dinheiro como meio

Qual a finalidade dos bens? Sem dúvida proporcionar uma vida com dignidade e bem-estar. E o que fazem muitas pessoas com o dinheiro? Trabalham para acumular. Tornam o acúmulo o grande objetivo da vida. Aqui, a pergunta inevitável: Conseguem se realizar desse modo? Poucos, ou ninguém.

Exploração.  Buscam ter mais a qualquer preço.  Para alertá-los são necessários os profetas. Existem hoje?  Você poderia ser um deles? Por que não? Amós era  um camponês pobre de Judá, no sul  do país. Lá pelo ano 760 a.C. assumiu a difícil missão de ser profeta no norte do país, em Israel, no tempo do rei Jeroboão II. Qual era a situação econômica do país? Ruim. Não estava mais em situação favorável há algum tempo. Os  líderes e os comerciantes faziam  o que era inconcebível aos olhos de Deus: exploravam os pobres. Deus passou, então, a alertar contra isso através de Amós. E hoje, você conhece alguém bem sucedido que não é um explorador?

Ganância. Qual era a ambição dos comerciantes da época de Amós? O lucro indevido. Para tanto, vendiam  até o refugo dos cereais e violavam  a balança. Para eles, não importavam as festas religiosas, a lua nova e o sábado, oportunidades em que todos celebravam e descansavam. Era perda de lucros. Para Amós, essa atitude decretava o fim do povo eleito. Eles se perguntavam: Quando vai passar o Sábado, para abrirmos o armazém, para diminuir as medidas, aumentar o peso e viciar a balança, para comprar os pobres por dinheiro, o necessitado por um par de sandálias, e vender o refugo do trigo? (Am 8,5-6). Hoje também acontece estas coisas, ou algo equivalente?

Hoje a situação não mudou muito. Apenas os modos: pagam-se baixos salários, exigem-se horas extras que não são pagas, humilham-se os funcionários, os chefes cobram de forma impositiva tratando subordinados como coisas, aumenta-se o lucro, mas nada dele é repartido com os que produzem. Há patrões que exploram. E os que exploram os patrões? Uns cometem a injustiça tanto quanto os outros.

Endeusamento do dinheiro.  Jesus não ensinou que o dinheiro não presta e que não precisamos dele.[1]  Ou ensinou? Pelo contrário, até pediu que cumprisse sua destinação: Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus(Mt 22,21). Observou bem?  Jesus não está se colocando contra o dinheiro, mas a favor de uma economia que gera a vida.  “Então o problema não é o dinheiro?” pode estar pensando você. Não.  Os bens não são em si negativos, e sim, o seu uso desequilibrado. O problema é que  quando uns acumulam e outros ficam sem nada.

Mãos puras. Os bens tornam-se ídolos que oprimem, geram fome, desemprego, falta de moradia.  E os que exploram e também participam de cultos,  que dizer deles?  Ambiguidade incompatível. Cultivam falsa espiritualidade,  permeada de mentiras, de  incoerência. Quem acumula bens e espezinha a dignidade dos outros, seus bens são obtidos injustamente. Muitos falam com Deus e adoram o deus dinheiro conquistado com mãos sujas de idolatria, de apego a bens terrenos, de ressentimento com os outros.  Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando as mãos puras, superando todo ódio e ressentimento  (1Tm 2,8).

Bens. Enfim, essa é a situação generalizada frente aos bens. Eles nos foram dados para nos servir e não para que lhes sirvamos. O dinheiro é meio; não pode ser fim. Serve à nossa realização aqui na terra, enquanto caminhamos com os olhos fitos no céu.  Fitos no céu; não só na terra. Se nos fixamos apenas na terra e não olhamos para o céu, nos perdemos.  Tenho os olhos fixos no Senhor, pois ele livra do laço o meu  (Sl 25,15).

É preciso, pois, acumular tesouros para o futuro. Não adianta tesouros que nos serão tirados na hora da morte e nos despacharão nus, sem nada.

Não vale a pena lutar só por estes bens. Vale?

  Eu diante da Palavra

Dinheiro como meio
13 Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou de odiar a um e amar o outro, ou de aderir a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro  (Lc 16,)

Sirvo ao dinheiro como meu senhor e vivo lutando por ele, mais do que por outras coisas também importantes?

Mãos puras
8 Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando as mãos puras, superando todo ódio e ressentimento   (1Tm 2,8),

Minhas mãos são puras ou têm as marcas do mal que pratico em relação aos outros?

Fazer perecer
4 Ouvi isto, vós que engolis o pobre, e fazeis perecer os humildes da terra  (Am 8,4).

Imponho sobre os humildes, os fracos, na minha casa ou no trabalho?

Minha prece

 Ninguém pode servir a vós, Senhor, e ao dinheiro.
Por vezes, meu deus é o salário ou quanto posso ganhar.
Preciso tornar o dinheiro apenas meio para eu viver dignamente,
Meio para construir um mundo melhor.
Agradeço-vos, Senhor, pelo que ganho,
Por meu trabalho, por quanto possuo.
Transformai meu coração
Para que eu saiba olhar para o próximo.
Não quero servir ao deus do dinheiro,
Mas transformá-lo em meio para semear caridade
E bem-estar.
Quem assim seja.

 


[1]