Comodismo

Comodismo

Comodismo

Muitos batizados são comodistas. Vivem uma religião intimista. Sua espiritualidade é completamente alheia a sua vida social e econômica. Será que isso agrada a Deus? Quem sabe! Contudo, aprendemos que não.

Imagens de céu e inferno.  Com elementos da fé dos antepassados, a parábola do rico e do pobre Lázaro relata a cena que paira na cabeça de muitos: os bons estão no céu e os maus, no inferno, separados por um abismo. Tranquilidade e banquete de um lado, tormento e fogo do outro. A Bíblia nos oferece muitas imagens do inferno [1]  São imagens simbólicas. O fogo que devora simboliza a absoluta frustração humana e o seu total distanciamento de Deus. Terrível, não? Diante de tal situação, só resta ao ser humano chorar e ranger os seus dentes, na escuridão de uma vida sem utopias, no exílio de opção feita por ele mesmo. É o que ocorre com o rico da parábola do rico epulão e de Lázaro. A vida que você leva está mais para Lázaro ou para o rico epulão?

Pessoa de bem.  Não podem ter o mesmo destino uma pessoa de bem e outra que vive praticando o  mal, não acha? Está certo que Deus tem seus critérios. Mas alguns deles já nos foram deixados por Jesus. Quem vive de modo diferente dos ensinamentos deixados por ele, não pode ser uma pessoa de bem. Como viveria uma pessoa de bem? Paulo ensina: Foge destas coisas, procura antes a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a constância, a mansidão (1Tm 6,11-12). Em outra palavras: Fugir dos vícios. Há muitos vícios: a idolatria do trabalho, do dinheiro, o vicio do jogo, a entrega às drogas, a agressividade com os outros. São vícios que prendem e consomem. E os egoístas? Claro, existe também a pessoa viciada em si própria: Ela só visa a si mesma, só faz o que tem vontade, só se mexe se o que for fazer lhe dá prazer. Será que essa é uma pessoa de bem?

Escutar.  Comumente vivemos dando ouvidos a nossos ídolos, aos princípios contrários à lei divina. Você não?  Sabemos o que deveríamos fazer, mas não fazemos. Conhecemos, mas não vivemos. Quanta contradição! Precisaria mais alguém vir dizer como é que deveríamos viver? Todos sabemos. Certamente não precisaria mais ninguém dizer. Contudo, se não ouvirem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão convencer, ainda que ressuscite algum dos mortos  (Lc 16,31). Quanta resistência! Estes correm o risco de não se encontrarem com o Senhor. Antes, serão deportados à frente dos cativos, e terão fim os banquetes dos voluptuosos (Am 6,7). Adeus, banquetes!  Adeus, comodidade!

Serenidade.   Comodidade não é o mesmo que serenidade. Esta é virtude; comodidade pode ser vício. Tem origens diferentes. A serenidade vem da paz de consciência diante do Senhor. A comodidade vem da falta de comprometimento. Quem ora também muda de vida. Paulo ensina que a oração nos confere uma vida calma e serena, com toda a piedade e dignidade (2Tm 2,2). Somos comodistas ou serenos? Somos daqueles que acumulam  dinheiro e repartem miséria?

A prece deve ser coerente. Ou nossa oração tem dimensão apenas espiritual, apartada da vida social e econômica?  Fica cômodo dessa forma. Porém, será que agrada ao Senhor uma espiritualidade desse jeito? É hora de nos avaliarmos à luz da boa nova aprendida de Jesus!

  Eu diante da Palavra

Comodidade
1 Ai daqueles que vivem comodamente em Sião, e daqueles que vivem tranqüilos no monte da Samaria  (Am 6,1).

Sou alguém que vive comodamente e pouco, ou quase nada, faço para o próximo e para minha comodidade?

Fugir dos vícios
11 Mas tu, ó homem de Deus, foge desses vícios e procura com todo empenho a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão (1Tm 6,11)

Quais destas virtudes eu pratico?

Ouvir
31 Abraão respondeu-lhe: Se não ouvirem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão convencer, ainda que ressuscite algum dos mortos  (Lc 16,31).

A quem ouço? Aos ensinamentos de Jesus ou às teorias da ganância, da exploração dos outros?

 Minha prece

Ai daqueles que vivem comodamente
Enquanto o próximo padece necessidade!
A pessoa de Deus não vive apenas para si.
Está atenta às necessidades do próximo.
Senhor,
Quero ser uma pessoa de Deus,
Fugindo dos vícios e procurando  com todo empenho
a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão.
Assim estarei me preparando aqui na terra
para viver na casa dos justos.
Assim seja.

 


[1]