Últimos tempos

Últimos tempos

Últimos tempos

Celebrar o Natal é celebrar o nascimento de Jesus, todo mundo sabe. Seria só?  Não, é mais. É também rever a vivência cristã sob o critério de sua volta. Sim, ele voltará. E como estarei? É a pergunta fundamental. A resposta é também essencial, pois a partir dela, se terá uma forma de vida. A vinda de Jesus é decisiva para todos. Será um marco que dividirá nossa existência em existência feliz ou existência infeliz.   “Por isso, estai também vós preparados porque o Filho do Homem virá numa hora em que menos pensardes” (Mt 24,44). Então, se eu estiver vivendo bem, quando eu fechar os olhos para este mundo, terei a graça de ser acolhido pelo Senhor.

Penitência. O que conta diante de Deus é a penitência que cada um faz, como dizia João: “Fazei penitência porque está próximo o Reino dos céus”  (Mt 3,1-2). Penitência é arrependimento, pesar pela falta cometida. Isso é mais do que cantar os méritos dos outros, viver admirando o que Cristo fez ou o que os santos fizeram. Tem gente que acha que está fazendo grande coisa, ficar se emocionando com o bom exemplo dos outros. Mas isso não é tudo.  A mudança pessoal de vida é que conta. Já pensou nisso? A conversão nos direciona para um futuro promissor. Ela nos permite entrar no reino dos céus, que já está entre nós.

Destino. Para onde vamos? Para a eternidade, para o encontro com Jesus. Todo acontecimento, de pouca ou grande monta, nos direciona para este grande momento[1].  É necessário cada um se preparar. De que forma? Transformando os instrumentos de morte de pessoas, do planeta, em instrumentos de vida, como quis Jesus. “De suas espadas forjarão relhas de arados, e de suas lanças, foices. Uma nação não levantará a espada contra outra, e não se arrastarão mais para a guerra” (Is 2,4). Viu? O profeta nos ensina fundir as espadas para fazer coisas úteis como bicos de arado, foices; convida a  transformar as armas em instrumentos de trabalho, mudar a força de destruição em força de construção, abandonar o individualismo e partir para a colaboração[2]. Resultado? Um mundo melhor, mais promissor, ainda que, talvez, seja visualizado apenas nos últimos tempos.

Últimos tempos.  Quando acontecerão? No final da história? Os “últimos tempos” representam o futuro que já deve estar presente. Mas está apenas parcialmente. Deve ser construído com  nossas mãos. Já pensou nisso? Precisamos construí-lo, como o povo hebreu construiu o Templo de Jerusalém. Todavia foi destruído.  O que representam hoje a  destruição do Templo e da cidade de Jerusalém? São um sinal de advertência. Indicam que também teremos um fim, nada é duradouro. Claro, caminhamos para o fim, desde que nascemos. Graças à fé, e pelo poder de Deus, estais guardados para a salvação que deve revelar-se nos últimos tempos (1Tm 1,5). Os últimos tempos, enfim, virão para cada pessoa, às vésperas da hora final. Poderão vir aos 5 anos de idade, aos 30, aos 90 anos. Ninguém sabe. Existirão os últimos tempos de cada pessoa e os últimos tempos em relação ao fim deste mundo antecedendo a vida de Jesus.

Novo mundo.  É preciso construir o futuro que queremos para os últimos tempos e depois deles. De que modo podem ser construídos? Fugindo de tudo que não dá sentido à vida. Como saber o que dá e o que dá não sentido à vida?  O Senhor nos ensinará seus caminhos, e nós trilharemos as suas veredas” (Is 2,3). Resta saber: Trilharemos? Depende de nós. O certo é que há uma comunidade ideal a se tornar real. O Natal abre nossos olhos para esta realidade.

Celebrar o Natal é, pois, celebrar o novo reino que veio e também está para ser construído. Como assim? Ele é instaurado pela ação de  cada pessoa, sob a direção de Deus e se estenderá podendo atingir o universo. Estará estendido nos últimos tempos? Depende de cada um e de todos nós pois o Reino de Deus está no meio de vós (Lc 17,21). Os “últimos tempos” são o futuro que já está  presente e também que pode ainda acontecer. “Por isso, estai também vós preparados porque o Filho do Homem virá numa hora em que menos pensardes” (Mt 24,44).

Que a luz do Natal dê sentido à nossa vida e à construção de um mundo melhor.

 Eu diante da Palavra

Ensinará
3  E os povos virão em multidão: Vinde, dirão eles, subamos à montanha do Senhor, à casa do Deus de Jacó: ele nos ensinará seus caminhos, e nós trilharemos as suas veredas (Is 2,3).

Tenho trilhado os caminhos ensinados por Jesus Cristo?

Mais perto
11 Isso é tanto mais importante porque sabeis em que tempo vivemos. Já é hora de despertardes do sono. A salvação está mais perto do que quando abraçamos a fé  (Rm 13,11).

Tenho progredido em minha vivência cristã a ponto de poder dizer que estou mais perto da salvação do que quando abracei a fé?

O Filho virá
44 Por isso, estai também vós preparados porque o Filho do Homem virá numa hora em que menos pensardes (Mt 24,44).

Estou preparado?

  Minha prece

Senhor, que a paz reine na Jerusalém terrestre.
Que a paz habite dentro de nós,
e haja tranquilidade nas cidades de nossas vidas.
Guarda-nos, Senhor,
Para que estejamos vigilantes até a tua volta.
O clima de advento permaneça
Dando sentido à nossa vida,
preparando-nos para o encontro com o Senhor!