Maria libertadora

Maria libertadora

Maria libertadora

Hoje os estudiosos da mariologia, ao contrário do que ocorria no passado, acentuam o aspecto humano de Maria. Acentua-se sua verdadeira e autêntica humanidade. Qual a importância disso?

Amadurecimento. Enaltecendo a dimensão humana de Maria não é dado destaque apenas à  sua maternidade divina, mas também à realidade como pessoa que viveu experiências comuns a todos nós, como limitações, sofrimentos, provações, amadurecimento espiritual na fé. Algo certamente enriquecedor para seus devotos, não? Ela passa a ser vista também como alguém inserido no seu contexto histórico. Deste modo fica mais próxima de nossa realidade humana e terrestre. Não é fabuloso isto? Ela ajuda no amadurecimento de nossa fé. Com esta visão, Maria aparece como um ser humano feminino inserida na trama das vicissitudes humanas. Sem dúvida, melhor do que  considerá-la em seu conteúdo apenas espiritual, abstrato e desvinculada da concretude histórica da mulher. Ela ouvia os pastores, ficava admirada e  guardava  no coração as palavras ouvidas meditando-as no seu coração” (Lc 2,18-19).

Maria hoje. Da mesma forma a mulher precisa meditar e redescobrir seu lugar no mundo. Se Maria não fosse inserida em nossa realidade, talvez pouco entusiasmasse a mulher de hoje, que convive com problemas como a emancipação feminina, o questionamento da maternidade, o papel da mulher na sociedade moderna, na igreja, no trabalho, na educação. Felizmente a igreja está atenta a este fato. Há documentos  da igreja trazendo Maria para nossa realidade, como Lumen Gentium do Concílio Vaticano II,  Marialis cultus  de Paulo VI e Redemptoris Mater  de João Paulo II. Eles demonstram de que modo ela pode contribuir  para a libertação do mundo machista, materialista e distante de Deus. É uma necessidade premente, não! Há que se construir um mundo mais fraterno, onde todos sejam respeitados como filhos do mesmo Pai. “A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!”  Como Maria foi plenamente filha, mãe e esposa em seu tempo, as mulheres são chamadas a exercer estes papéis na realidade de hoje.

Cativeiro. O povo de Deus havia sido levado para o cativeiro da Babilônia passando pela Galileia – dominada pelos gentios – precisamente atravessando as regiões da “terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região além do Jordão, Galiléia, entregue às nações pagãs!” (Mt 4,15). É um dado histórico. O que essa informação acrescenta em nossa vida cristã? Pouco. Acrescenta mais se nos perguntarmos: E o povo de hoje, está escravizado onde? Também não é levado  para as regiões dominadas pelo paganismo? Pela exploração do próximo, pelo comodismo, pela falta de caridade? Urge, portanto, que o povo de Deus seja libertado. Que Maria ensine a humanidade a olhar para Jesus e a fazer tudo o que ele disser, para que seja liberto do cativeira do pecado.

Promessas cumpridas. É por este caminho que precisamos trilhar, se desejamos alcançar a felicidade duradoura.  “Cristo exerceu seu ministério entre os incircuncisos para manifestar a veracidade de Deus pela realização das promessas feitas aos patriarcas” (Rm 15,8). O próprio Cristo se mostrou caminho, verdade e vida, para saciar a sede de felicidade. Como mitigar este sede? Vivendo olhando para o alto, como forma de não esquecer das coisas espirituais. É o caminho a ser trilhado pelos filhos de Deus.  “Portanto já não és escravo, mas filho. E, se és filho, então também herdeiro por Deus” (Gl 4,7). A hora é agora. Isso nos realizará e nos conduzirá à eterna realização, como aconteceu com a mãe de Jesus.

Maria contribuiu decisivamente para sermos herdeiros dos céus. Certamente ela torce por nós, e nos protege com palavras como aquelas ensinadas por Deus a Moisés: O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor te mostre a sua face e conceda-te sua graça! O Senhor volva o seu rosto para ti e te dê a paz!” (Nm 6,24-26). Que Maria ajude as mulheres a exercerem seu papel de mulher e os homens o seu. Por fim, que ambos não se esqueçam de que, independentemente do sexo, são irmãos, herdeiros do mesmo céu.
——————————————–
Lexicon – Dicionário Teológico Enciclopédico, São Paulo: Loyola, 2003, p. 465-466.

 Eu diante da Palavra

Meditava
Todos os que os (os pastores) ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores.
19 Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração
” (Lc 2,18-19).

Medito também as coisas do Senhor no meu coração?

Receptividade
O Senhor te abençoe e te guarde!
O Senhor te mostre a sua face e conceda-te sua graça!
O Senhor volva o seu rosto para ti e te dê a paz!
” (Nm 6,24-26).

O Senhor me oferece todos estes bens. Dou condições para que eles atuem em minha vida?

Espírito
A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!” (Gl 4,6).

Dou atenção à inspiração do Espírito Santo que mora no meu coração?

 Herdeiro
“Portanto já não és escravo, mas filho. E, se és filho, então também herdeiro por Deus” (Gl 4,7).

Vivo de modo a merecer a herança de filho que me está preparada?

  Minha prece

Senhor, obrigado por teres me dado uma mãe.
Obrigado por Maria ter sido humana como nós,
e nos ensinar como amadurecer na fé.
Liberta-me, Senhor do machismo, do feminismo,
do preconceito contra a mulher.
Abençoa-me, Senhor,  e que me guardes!
Mostra para mim tua face e me concedas tua graça!
Volve para mim teu rosto e me dês a paz!
Assim seja.