Prudência no agir

Prudência no agir

Prudência no agir

Quem nunca foi apressado em emitir um julgamento sobre o procedimento de alguém? Já viu quantas pessoas têm suas opiniões, agem segundo elas, mas raramente escuta opiniões contrárias para avaliar a consistência das suas? Nossas opiniões pessoais podem não ser consistentes segundo os melhores princípios. Por isso é necessário cautela nos julgamentos ou avaliações.

Pessoa esclarecida. Nossa maneira de proceder pode ser injusta, pode afastar os outros, pode ofender. “Portanto, ficai bem atentos à vossa  maneira de proceder” (Ef 5,15). As pessoas atentas sabem disso. Quantas agressões verbais são lançadas exasperadamente! Quantos falsos juízos! Quantas calúnias levantamos! Por isso São Paulo exorta: “Procedei não como insensatos, mas como pessoas esclarecidas (Ef 5,15). Somos esclarecidos no conhecimento espiritual, quanto no conhecimento intelectual? Nem tanto. Estudamos, temos conhecimento da situação política e econômica do país, mas muitas vezes somos infantis no conhecimentos religioso. Não evoluímos. É só verificar: quanto você e eu estudamos sobre religião ou espiritualidade? E sobre matérias relacionadas a aperfeiçoamento intelectual, profissional, quanto nos interessamos? Nas coisas deste mundo procuramos agir como pessoas esclarecidas. Porém, nas coisas de natureza espiritual, agimos como ingênuos e displicentes. Muitos ficaram com o que aprenderam lá atrás, quando crianças, na catequese.

Procedimento. Nossa busca pelo conhecimento humano vive em descompasso com a busca da vida segundo a sabedoria divina. “Portanto, ficai bem atentos à vossa  maneira de proceder” (Ef 5,15). Nosso tempo precisa ser aproveitado melhor também nessa dimensão. Dessa forma será mais fácil proceder “como pessoas esclarecidas que bem aproveitam o tempo presente, pois estes dias são maus” (Ef 5,15-16). Sabe por que são maus? Porque são cheios de maldades, como exploração do próximo, maledicências, invejas, briga pelo poder em casa ou no trabalho, imersão em bebidas. “Não vos embriagueis com vinho – pois isso leva ao descontrole –, mas enchei-vos do Espírito” (Ef 5,18). Se nosso procedimento tem alguma coisa dessas maldades, precisamos estar mais atentos. “Portanto, ficai bem atentos à vossa  maneira de proceder” (Ef 5,15).

Prudência.  É preciso discernimento e mudar. “Não sejais sem juízo, mas procurai discernir bem qual é a vontade do Senhor” (Ef 5,17). Qual é a nossa vontade diante das situações, sabemos. Mas, o que esperaria de nós, a vontade do Senhor, diante da mesma situação? “Segui os caminhos da prudência!” (Pr 9,6). Agindo desse modo, certamente nosso procedimento não afastará as pessoa. Atrairá, ao invés de afastá-las. E o melhor é que estaremos agindo conforme a vontade do Senhor.

Ingenuidade. Comumente somos astutos; não ingênuos. O ingênuo é simples, puro, sem malícia. Somos assim? A maioria de nós, não. Somos espertos para nossos interesses, arrumamos explicações para nossa fuga do que não nos agrada, providenciamos argumentos para justificar nossas condutas questionáveis. Contudo, a astúcia para o mal e a ingenuidade não devem ser cultivadas. Devemos ser simples; não ingênuos.  “Deixai a ingenuidade e vivereis! Segui os caminhos da prudência!” (Pr 9,6). As pessoas boas são sábias. A sabedoria precisa ser nossa companheira de viagem no dia a dia. “Aos ignorantes ela diz: ‘Vinde comer do meu pão e beber do vinho que preparei para vós!’”  (Pv 9,4-5). É mais nobre lutar e vencer  com os argumentos da sabedoria; não com a astúcia para justificar os maus procedimentos.

Por outro lado, é verdade que a vida com prudência e sabedoria custa caro. É difícil. Por isso é preciso contar com o pão da vida oferecido por Cristo. “Jesus disse: ‘Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós’”  (Jo 6,53). Jesus mostrou como se pode ter a verdadeira vida: Alimentando-nos das coisas espirituais.  Nutrindo-nos com a eucaristia conseguiremos também fazer o que nos pediu o Apóstolo Paulo: “entoai juntos salmos, hinos e cânticos espirituais; cantai e salmodiai ao Senhor, de todo o coração” (Ef 5,19). Desta forma a oração estará coerente com a vida prudente. Ela será alegre e uma constante ação de graças.

 

Eu, diante da Palavra

Buscar
“Se há um ingênuo, venha a mim!” Aos ignorantes ela diz:
‘Vinde comer do meu pão e beber do vinho que preparei para vós!’”
 (Pv 9,4-5)

Busco a sabedoria no meu dia a dia? Onde?

 

Prudência
Deixai a ingenuidade e vivereis! Segui os caminhos da prudência!” (Pr 9,6).

Sou uma pessoa prudente ou muito apressada em julgar ou agir?

 

Eucaristia
Jesus disse: ‘Em verdade, em verdade,
vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não
tereis a vida em vós’”
  (Jo 6,53)

Busco a Eucaristia como forma de ter a vida em mim?

 

Procedimento
Portanto, ficai bem atentos à vossa  maneira de proceder” (Ef 5,15).

Sou atento aos meus procedimentos para não magoar as pessoas?

 

Minha prece

Bendito sois, Senhor Deus, em todo o tempo!
Vosso louvor estará sempre em minha boca.
Os ricos empobrecem,
Mas os que vos buscam não passam necessidade.
Por isso quero afastar-me do mal e fazer o bem,
Pois neste procedimento está a minha salvação.
Sede meu auxílio, Senhor,
No esforço de ter um reto modo de proceder.
Que assim seja.